RESENHA NETFLIX | 4ª temporada de "Vis a Vis" é eletrizante • MAZE // MTV Brasil
NetflixResenhasSéries e TV

RESENHA NETFLIX | 4ª temporada de “Vis a Vis” é eletrizante

Luiz Henrique Oliveira9526 views
RESENHA NETFLIX | 4ª temporada de "Vis a Vis" é eletrizante

Vis a Vis foi um fenômeno que chegou de mansinho e tomou conta da Netflix, angariando fãs em todos os lugares do mundo. A história contribuiu muito para isso: uma trama que no começo lembrava Orange Is The New Black, mas com muito mais reviravoltas – nesse sentido, assemelhou-se a sua conterrânea La Casa de Papel.

Veja a crítica em vídeo:

A terceira temporada da produção deixou muito a desejar. Ficaram muitas brechas que precisariam ser resolvidas rapidamente, já que havia sido confirmada que a quarta parte da história seria a última. E esse desfecho não poderia ser feito de qualquer jeito: tinha que ser à altura do que os fãs esperavam.

Os produtores e roteiristas acertaram. A quarta temporada de Vis a Vis mostra as prisioneiras de Cruz del Norte enfrentando seus destinos: Zulema (Najwa Nimri), Saray (Alba Flores) ou Rizos (Berta Vázquez) precisam testar suas resistências físicas e emocionais com a chegada de Sandoval (Ramiro Blas), um sádico funcionário da penitenciária.

A série entrega seus derradeiros episódios numa montanha russa de sentimentos, com cenas de tirar o fôlego. As situações escabrosas que elas precisam enfrentar crescem a cada novo capítulo dessa saga final, nos fazendo sofrer junto com elas. E essa é a melhor característica que Vis a Vis pode oferecer: a capacidade de emocionar e torturar o espectador ao mesmo tempo.

 

Cadê a Macarena?

RESENHA NETFLIX | 4ª temporada de "Vis a Vis" é eletrizante
Macarena sumiu na terceira temporada de “Vis a Vis”. Será que volta? – Foto: Reprodução/Fox

Muita gente se perguntou se Macarena (Maggie Civantos), que era a protagonista original, voltaria para a quarta temporada. Isso porque, no lote anterior de episódios, ela quase não apareceu. Acontece que Civantos estava ocupada demais nas gravações de “As Telefonistas” – outra série de sucesso exibida pela Netflix – que acabou se ausentando. A pergunta é: ela volta para essa última temporada?

A resposta é sim. No entanto, seu espaço de protagonista foi totalmente ocupado por Zulema, interpretada por Najwa Nimri. A atriz, que também dá vida a Nairóbi de La Casa de Papel, toma conta da história e se torna o mais importante elo nesta temporada. Certo que ela vem roubando esse protagonismo pouco a pouco, desde sua primeira aparição, mas agora fica escancarado quem é a personagem principal aqui.

E ela entrega uma atuação irrepreensível. Nimri é uma atriz de força, que consegue imprimir personalidade a qualquer personagem que lhe caia nas mãos. Em “Vis a Vis” não foi diferente: ela conseguiu fazer com que Zulema ganhasse o coração e a mente dos fãs da série. E não sem razão.

Um final apropriado para “Vis a Vis”

No fim das contas, a temporada 4 entrega exatamente aquilo que os fãs da série esperavam. A história mantém sua essência, mesmo incluindo novos horizontes no meio do caminho – além de algumas ideias novas. Por mais que o fim de certos personagens seja um tanto quanto previsível, outros acabam emocionando muito. Os arcos narrativos se fecham quase com perfeição, culminando em uma cena final tocante, ao mesmo tempo em que é eletrizante.

Dessa forma,  a série não deixa nenhum tipo de amarra com o público que acompanhou a história dessas bravas mulheres. Sentiremos falta das histórias nas quais nos ligamos com tanto afinco, mas também ficamos contentes com o destino que elas tiveram ao fim. Foi um final bastante apropriado, sem exageros, em que o “fan service” casou com os interesses do roteiro.

Resta agora esperar por um possível spin-off, que já foi até anunciado, mas ainda não foi confirmado oficialmente. Por mais que esse arco esteja fechado, ainda há muito o que contar na história individual dessas mulheres. E quando acontecer, nós, espectadores, estaremos lá para acompanhar.

Luiz Henrique Oliveira
Nasceu no interior de São Paulo em 1986 e escreve sobre cinema em blogs desde 2004. Curte drama, comédia e ficção científica, mas ama mesmo O Poderoso Chefão. Tem interesse no mundo geek, em música brasileira e pode ser facilmente confundido com o Chico Bento pelas ruas da capital paulista.