Os 20 melhores SINGLES de 2016! • MAZE // MTV Brasil
ListasMúsicaPosts

Os 20 melhores SINGLES de 2016!

João Batista2107 views

A nossa retrospectiva de 2016 segue firme e forte, e depois de falarmos dos 20 álbuns mais adorados pela gente nesse ano que passou, chegou a hora de falar sobre aqueles singles lançados que foram difíceis de tirar do repeat.

Então, sem muita enrolação e direto ao ponto, vamos logo aos 20 melhores singles de 2016 – segundo a equipe do blog!

MAZE apresenta:
Os 20 melhores SINGLES de 2016!

#20 | Fifth Harmony – That’s My Girl

Mesmo que o 7/27 tenha lá seus deslizes, não há dúvidas de que a música é um hino poderoso da girband.

#19 | Bastille – Good Grief

Com uma sonoridade bem diferente da que foi apresentada no debut Bad Blood, Dan Smith e cia. voltaram em 2016 bastante repaginado no carro-chefe do disco Wild World.

#18 | ZAYN – Pillowtalk

Fez muita gente morder a lingua e perceber que sair do 1D foi a coisa mais sábia que o “garoto normal” fez.

#17 | Alicia Keys – In Common

Ainda mais empoderada, Keys fez a espera pelo seu retorno valer a pena com seu modesto, porém super eficiente dancehall.

#16 | Snakehips – Cruel (feat. ZAYN)

A fase solo de ZAYN rendeu coisas maravilhosas além do debut Mind Of Mine, como a parceria com o duo Snakehips. Fresco, pop viciante.

#15 | Britney Spears – Make Me (feat. G-Eazy)

Depois da era desastrosa do Britney Jean, a princesa do pop calou a boca de muitos com a sexy e envolvente “Make Me” – parceria com o rapper G-Eazy que abriu os trabalhos do álbum Glory.

#14 | Anitta – Sim ou Não (part. Maluma)

A atual proprietária do pop nacional que muitos ainda insistem em não aceitar certamente não fecharia 2016 sem algo tão impactante quanto o seu Bang do ano passado.

#13 | Zara Larsson – Ain’t My Fault

A gente perdoa a Zara pelo atraso no lançamento do disco novo, mas só porque os seus singles avulsos são impecavelmente maravilhosos.

#12 | Sia – Cheap Thrills

De onde essa mulher tira tanto faro pra hits???

#11 | DNCE – Body Moves

Para a nossa alegria, a banda de Joe Jonas não é feita apenas de “Cake by the Ocean”. Tem coisa boa também! #NoShade

#10 | The Veronicas – In My Blood

As gêmeas Jessica e Lisa voltaram esse ano ao cenário musical, dessa vez com uma certeira proposta totalmente voltada para o eletropop mainstream, que caiu no gosto do público e dos charts.

#09 | IZA – Quem Sabe Sou Eu

Grande aposta para o cenário pop nacional, a carioca IZA começou fazendo covers na internet e há alguns meses atrás anunciou seu contrato com a Warner Music lançando seu single de estreia, “Quem Sabe Sou Eu”, que tem uma batida viciante e que merece um destaque imenso nos próximos meses.

#08 | The Weeknd – Starboy

O carro-chefe do novo disco de Abel Tesfaye (citado na nossa lista de melhores discos de 2016) é uma das doses musicais que mais surpreenderam nesse ano. Aliado à Daft Punk, o canadense entregou uma canção de excelentísssima produção que combina pop, música eletrônica e R&B de um jeito hipnotizante.

#07 | Céu – Perfume do Invisível

Era de se esperar que a dona do melhor álbum de 2016 estivesse presente nessa lista. “Perfume do Invisível” é dançante, envolvente, sentimental e viciante: atributos-chave para determinar a qualidade de uma boa pedida para os ouvidos.

#06 – Mahmundi – Eterno Verão

Ainda sem sair do território brasileiro, nossa conterrânea Marcela Vale (aka Mahmundi) também volta a marcar presença por aqui. “Eterno Verão” foi o single que marcou o início da divulgação do seu ótimo disco de estreia. Nele, Marcela retrata de forma nostálgica a sua procura pela felicidade usando a áurea veranesca da Cidade Maravilhosa como plano de fundo. A isca perfeita para cair de amores pelo som da carioca.

#05 | Jidenna – Little Bit More

Quando surgiu em “Yoga”, maravilhosa parceria com Janelle Monáe, pouco se sabia sobre Jidenna. Mas não demorou muito para que o cantor jamaicano começasse a surgir com suas próprias músicas e nos encantar com seu talento, charme e estilo únicos.

Mesmo tendo lançado outras coisas desde “Yoga”, foi com o afrobeat de “Little Bit More” que o cara nos conquistou definitivamente. Um passo arriscado em tempos onde o tropical house se encontrava em zona de quase saturação, tendo em vista que a sonoridade bem semelhante com o ritmo de “Little Bit More”. E ainda assim, cosneguiu se destacar!

#04 | BANKS – Gemini Feed

Para divulgar o The Altar,  a californiana Jillian Banks voltou com uma proposta bem experimental na morna “Fuck With Myself”, mas só conseguiu convencer de vez com o single por conta de seu videoclipe.

Mas foi em “Gemini Feed”, segundo single do até então vindouro álbum sucessor de Goddess, que ela entregou o pacote completo: com seus já conhecidos toques minimalistas e acompanhada de um vocoder sutilmente sinistro para acompanhá-la ao longo da música, “Gemini Feed” se sustenta do início ao fim sem deixar a desejar em nenhum momento.

#03 | Dua Lipa – Hotter Than Hell

Bem previsível vindo do blog que endeusou tanto essa mulher durante boa parte desse ano que passou, não é mesmo?

Como a gente já contou por aqui, Dua Lipa já é conhecida desde 2015, mas foi nesse ano que ela começou a investir pesado na divulgação do seu vindouro álbum de estreia com singles ainda mais fortes para as rádios. O impacto pra valer começou com o single “Hotter Than Hell”, uma produção (também) trabalhada no tropical house que chegou em um timing quase estourado, mas que conseguiu ser eficiente à tempo de não cair na mesmice de todos os outros lançamentos.

#02 | Tove Lo – Cool Girl

Quando Tove Lo chegou de vez no pop com o seu arrasador disco de estreia Queen Of The Clouds, todo mundo queria saber o que poderia vir após tanta coisa boa derivada do estilo único da cantora. Para nossa alegria, essa resposta chegou rápido e de forma positiva.

Nesse ano, a era Lady Wood deu continuidade à carreira musical da sueca de um jeito mais encorpado, maduro e até mesmo conceitual. Nos introduzindo ao mundo do curta Fairy Dust, o single “Cool Girl” sintetizou muito bem o tema “sexualidade feminina” e todas as outras coisas que Tove estava prestes a trazer em seu novo disco. Em méritos de produção, a música também não deixa a desejar – tanto que não é por qualquer coisa que a música levou a nossa prata, né?

#01 | Ariana Grande – Into You

A mulher mais perigosa do pop em 2016 chegou ao topo da nossa lista sem nenhuma dificuldade. Ariana Grande, com o seu Dangerous Woman, chamou atenção por conta de vários aspectos, incluindo o lançamento do single pop mais incrível e viciante lançado nos últimos 12 meses.

A intenção inicial desse eletropop frenético era servir apenas como single promocional do disco, mas o impacto foi tão grande que seria uma burrice se a música não tivesse o destaque merecido. Felizmente, a galera percebeu que estava com o ouro nas mãos e fez logo questão de investir pesado na faixa: ganhou clipe, remixes, apresentações ao vivo e se consolidou como uma das melhores músicas já lançadas por Ariana desde o início da sua carreira como cantora, capaz até de conquistar o topo da lista de um blog tão trevoso como o nosso. Merecidíssimo!


Chegamos ao fim de mais uma lista de fim de ano! Amaram? Adoraram? Acharam tudo? Conta pra gente quais são seus singles preferidos também! 🙂

E pra provar que somos muito legais e eficientes, tem uma playlist lá em nosso Spotify (já segue?) com todas essas e outras músicas que botaram pra f*der nesse ano e que também merecem menções honrosas. Chega mais:

João Batista
Dono, idealizador e fundador do labirinto. Genioso, carioca que não sabe sambar e amante da cultura pop desde 1991.