ESTREIA NETFLIX | "Privacidade Hackeada" é um documentário obrigatório nos tempos de hoje • MAZE // MTV Brasil
NetflixResenhas

ESTREIA NETFLIX | “Privacidade Hackeada” é um documentário obrigatório nos tempos de hoje

Luiz Henrique Oliveira7996 views
ESTREIA NETFLIX | Crítica: "Privacidade Hackeada" é um documentário obrigatório nos tempos de hoje

“Privacidade Hackeada” é um projeto que estreou nesta quarta (24/07) na Netflix. O tema não poderia ser mais atual: o que nós, enquanto usuários de redes sociais, estamos cedendo a organizações que fazem o que querem com nossos dados?

A produção mostra detalhes de um escândalo no qual o Facebook se envolveu recentemente. Em 2018, a empresa de Mark Zuckerberg foi acusada de negligência. Isso porque um outro empreendimento, chamado Cambridge Analytica, conseguiu coletar dados de 87 milhões de usuários da rede social sem autorização.

Por conta disso, Zuckerberg precisou depor no Congresso americano sobre o caso. Evidentemente, a confiança no Facebook foi abalada e provocou investigações em várias regiões do planeta. Reino Unido, Índia e Brasil, principalmente.

 

A grande questão de “Privacidade Hackeada”

Crítica: "Privacidade Hackeada", documentário da Netflix, serve como alerta
Crítica: “Privacidade Hackeada”, documentário da Netflix, serve como alerta

O que “Privacidade Hackeada” nos apresenta como questão é: será que nós, enquanto usuários dessas redes aparentemente inofensivas, não estamos sendo usados? Sempre estamos dando nossos dados pessoais para acessar algumas dessas redes, e o que é feito com essas informações? Será que estamos mesmo seguros em um mundo onde tudo pode ser facilmente hackeado? Qual é a culpa do Facebook nessa história?

O documentário, que tem aproximadamente duas horas, detalha essas questões e ainda mostra como a Cambridge Analytica conseguiu acessar os dados de tantas pessoas do mundo inteiro. Dessa forma, acompanhamos o funcionamento da Cambridge e por que eles queriam tanto essas informações. No caso, a tentativa era a de interferir na campanha presidencial nos Estados Unidos.

O depoimento mais contundente que aparece no filme é o de Brittany Kaiser. Ela foi nada menos do que a ex-diretora de desenvolvimento de negócios da Cambridge Analytica. Após perceber a enrascada em que se meteu, resolveu virar delatora e entregar os podres da empresa. Antes de entrar para a empresa, ela trabalhou na campanha de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos.

As palavras de Brittany são fortes e nos fazem questionar até que ponto vale a pena trocar nossas informações pessoais. Assim, no final do filme, a tentação de deletar todas as redes das quais participamos é gigantesca.

Ao mesmo tempo, acompanhamos a saga de David Carroll, professor associado da Parsons School of Design, de Nova York. Ele aparece no longa tentando descobrir quais dados a Cambridge Analytica conseguiu reuniu sobre ele. Além disso, “Privacidade Hackeada” conta com depoimentos de Carole Cadwalladr, um jornalista investigativo do jornal The Guardian – responsável por desnudar o escândalo. Também aparece o ex-diretor de operações da Cambridge, Julian Wheatland.

 

Detalhando um escândalo

O documentário, dirigido por Jehane Noujam e Karin Amerdetalha o passo a passo da investigação que levou Zuckerberg a ter que se explicar no Congresso americano. Também mostra como a Cambridge conseguiu os dados, refazendo o caminho que os dados fizeram até chegar às mãos de pessoas não autorizadas.

A melhor coisa do longa é justamente acompanhar como um vazamento dessa proporção aconteceu. Noujam comenta, no decorrer do filme, que “podemos encontrar um equilíbrio limitando a quantidade de informações pessoais que compartilhamos em troca dessas conexões pessoais”. É verdade. Boa parte da culpa recai em nós, enquanto utilizadores dessa tecnologia.

Por exemplo: sempre nos empolgamos com novas tarefas que aplicativos e sites proporcionam. Recentemente, o caso do FaceApp colocou todos em alerta. O app de edição de fotos transformava o rosto de qualquer pessoa em idosos. Virou uma febre mundial. No entanto, pouco tempo depois começou a pairar dúvidas sobre o uso que a empresa responsável pelo programa fazia com os nossos dados pessoais coletados.

Mais uma vez, podemos ter cedido o que temos de mais importante para uma empresa, sem saber o que ela pode fazer com essas informações. Na visão dos diretores de “Privacidade Hackeada”, as empresas de mídia social devem se ver como “empresas de serviços públicos”. Dessa forma, devem ter responsabilidades éticas.

Portanto, o filme se mostra um ótimo exemplo de documentário investigativo inteligente, que usa as informações com lucidez e enorme nível de detalhe, e que nos faz repensar a forma como usamos a internet. “Privacidade Hackeada” é um documentário essencial para entender a importância de protegermos nossos dados. Da mesma forma, nos mostra como algumas empresas podem usá-los para fins que fogem completamente do nosso controle. É um filme simplesmente obrigatório.

Veja também a crítica de La Casa de Papel clicando aqui.

Luiz Henrique Oliveira
Nasceu no interior de São Paulo em 1986 e escreve sobre cinema em blogs desde 2004. Curte drama, comédia e ficção científica, mas ama mesmo O Poderoso Chefão. Tem interesse no mundo geek, em música brasileira e pode ser facilmente confundido com o Chico Bento pelas ruas da capital paulista.