"Em Ritmo de Fuga" | A passagem de Ansel Elgort e Edgar Wright pelo Brasil • MAZE // MTV Brasil
FilmesPosts

“Em Ritmo de Fuga” | A passagem de Ansel Elgort e Edgar Wright pelo Brasil

Victor Cavalcanti708 views

Aconteceu ontem (24) a coletiva de imprensa do filme “Em Ritmo de Fuga” aqui no Brasil, longa dirigido por Edgar Wright e estrelado pelo ator (e meu crush, rs) Ansel Elgort, e contou com a presença linda desses dois. Claro, o MAZE marcou presença.

O primeiro fato curioso (ou nem tanto), é que esta coletiva aconteceu por, mais uma vez, os fãs brasileiros serem os mais engajados e os melhores do mundo. Com tanta insistência pelo Twitter, a Sony resolveu ouvir a base de fãs do Ansel e trouxe ele e o diretor para uma pequena turnê do filme aqui no Brasil. Inclusive, chegando no hotel, já havia uma certa movimentação de fãs adolescentes bem agitadas.

“Em Ritmo de Fuga” conta a história de Baby (Ansel Elgort) um talentoso motorista de fuga e amante da música, que ao conhecer uma jovem e bela garota (Lily James), começa a gesticular uma saída do mundo do crime, mas como tudo no mundo dos grandes bandidos, não será fácil.

Base

Pelo trailer e pela trilha-sonora, já dá pra imaginar que o longa ter a forte base da música. Edgar contou que todo o filme foi pensado em cima da trilha, e ainda afirmou que nenhuma cena foi escrita sem antes encontrar a faixa que desse o tom da mesma.

Wright ainda disse que o primeiro script do filme já possuía cerca de 24 faixas em cenas, das 30 que compõe o filme. De forma descontraída, ele ainda comparou o processo de criação do longa com a concepção de uma setlist de um show.

Mas aparentemente, apenas conceber um filme baseado na trilha-sonora não foi o suficiente para Edgar, ele ainda revelou que durante as gravações das cenas do longa, os artistas que atuavam nas mesmas estavam ouvindo as canções que seriam posteriormente colocadas como trilha.

Isso por querer cada vez mais conectividade entre trilha e cena, entre artista e atmosfera, fazendo eles sentirem as emoções que o espectador precisaria sentir, formando assim uma unidade na obra. Ainda não assisti, mas quem viu afirma que procede e que deu muito certo.

RESENHA | “Em Ritmo de Fuga” é uma assertiva mistura de fórmulas de sucesso

Ritmo

Um projeto tão musicado, precisa de movimento, e parece que isso também não fica esquecido aqui. Ansel afirmou que tem grande afinidade com a dança, questão que foi crucial para a formação do filme, longa esse que segundo seus próprios criadores e toda a critica, possui menos falas e muito mais movimento (de câmera e de personagens).

Na prática, mesmo não sendo todo cantado, o filme funciona como uma espécie de musical, onde sincronia e ritmo são cruciais ao entendimento da história.

Para reforçar o time neste quesito ritmo e movimento, Edgar chamou dois colaboradores cruciais para criar o ritmo que essa fuga merecia: o coreografo Ryan Heffington, criador da icônica dança de “Chandelier” da Sia e o editor Paul Machlis, que trabalha com o diretor há cerca de 18 anos e que juntos já possuem uma linguagem, mais forte neste filme, de movimento e ritmo na edição.

Ansel Elgort e Edgar Wright.

Colaboração

O projeto, segundo o diretor e roteirista, começou em meados de 2011, e que Ansel chegou no time em 2014 depois de alguns testes. O time do longa ainda conta com a cantora e também atriz Sky Ferreira, que conheceu Edgar durante o processo de criação, viraram amigos e acabou por fazer uma curta, mas importante participação como a mãe de Baby, e algumas lendas do cinema internacional, Jamie Foxx e Kevin Spacey.

***

Como um amante do cinema e, ainda mais, da música, me aticou demais toda essa conexão incrível entre os dois universos, que já andavam bem juntos desde sempre. Agora resta apenas assistir – mas antes, você pode dar uma lida na nossa resenha para o filme, que chega aos cinemas brasileiros dia 27 de julho.

Ouça a incrível trilha sonora de “Em Ritmo de Fuga” no Spotify:

Victor Cavalcanti

Comunicador formado pela Universidade Metodista, narcisista desde os 15 anos, artista desde sempre. O resto tu descobre por aí.