O retorno animado e bem produzido de Ed Sheeran ao Rio com sua "Divide Tour" • MAZE // MTV Brasil
CoberturasLazer e EntretenimentoMúsicaPosts

O retorno animado e bem produzido de Ed Sheeran ao Rio com sua “Divide Tour”

João Batista2351 views
(Foto: Marco Serra Lima/G1)

Quando pisou no Brasil pela primeira vez em 2015 com a “Multiply Tour”, Ed Sheeran era apenas um cantor pop romântico que acabara de lançar seu segundo disco, onde começou a apostar em elementos mais animados. Aliás, foi isso que me animou a conferir de perto aquela fase do britânico, que até então era bem qualquer coisa pra mim.

Corta pra 2017. Ed Sheeran almejou mais popularidade, e agora retorna ao Brasil com a “Divide Tour”, que promove o disco homônimo. A convite do Midiorama, fui ao show que rolou aqui no Rio de Janeiro para conferir o que Ed havia preparado pra nós dessa vez.

(Foto: Marco Serra Lima/G1)

Pontualidade britânica

Com pouquíssimos minutos de atraso, Ed subiu ao palco da Jeunesse Arena. “Castle on the Hill” botou o público (já eufórico) pra cima e aqueceu bem a galera. “Eraser” e “The A Team” vieram em seguida, e antes de começar “Dive” ele mandou para o público: “se não conhecem, pelo menos finjam”. Mal sabia ele que todos já tinham a música nova na ponta da língua.

A nave de Ed

Um detalhe inexistente na “Multiply Tour” fez toda a diferença: a produção. Telões assimétricos, luzes coloridas e strobes formavam uma estrutura que lembra muito uma nave espacial (?) que ao longo do show ia projetando efeitos e vídeos que deram um quê a mais na experiência do show.

#EdSheeran – Don’t/New Man ➗ #DivideTour #RioDeJaneiro

Uma publicação compartilhada por MAZE ️️ (@mazeblog) em

#EdSheeran – Galway Girl ➗#DivideTour #RioDeJaneiro

Uma publicação compartilhada por MAZE ️️ (@mazeblog) em

Misturinhas e mudanças no setlist

Dito isso, nem preciso dizer que o ponto mais alto do show foi, de fato, a sua produção. As canções mais animadas ficaram ainda mais frenéticas (o que foi aquele medley de “Don’t” e “New Man?!?!), enquanto as baladas ficaram ainda mais envolventes e épicas.

Uma agradável surpresa foi a troca da monótona “Hearts Don’t Break Around Here” pela super conhecida “I See Fire”, que foi antecedida por um convincente cover de “Feelin’ Good” e encerrada por um coro estridente de todo o estádio.

Assim que terminou “Sing”, que é a última música do setlist antes do encore, Ed saiu rapidamente e voltou em seguida com uma camisa da Seleção Brasileira para cantar a provavelmente mais aguardada canção da noite: “Shape Of You”.

#EdSheeran – I See Fire ➗ #DivideTour #RioDeJaneiro

Uma publicação compartilhada por MAZE ️️ (@mazeblog) em

#EdSheeran – Shape Of You ➗#DivideTour #RioDeJaneiro

Uma publicação compartilhada por MAZE ️️ (@mazeblog) em

No mais, não há do que reclamar da “Divide Tour”. O álbum em questão foi valorizado de forma justa, ao mesmo tempo que “Multiply” e “Plus” deram as suas caras. Em relação à dinâmica do show, tive que aceitar que essa é a pegada dele mesmo, e que os fatores externos ajudaram a tornar a experiência bem mais legal até mesmo pra quem não acha Ed Sheeran lá essas coisas.

Já estou no aguardo da “Minus Tour”.

(Foto da capa: Marco Serra Lima/G1)

João Batista
Dono, idealizador e fundador do labirinto. Genioso, carioca que não sabe sambar e amante da cultura pop desde 1991.