Crítica: A adaptação bad-ass de "Maze Runner - Correr Ou Morrer" • MAZE // MTV Brasil
FilmesPostsResenhas

Crítica: A adaptação bad-ass de “Maze Runner – Correr Ou Morrer”

João Batista1687 views

Promovida pela Fox Film, ontem (16) rolou no Rio de Janeiro a pré-estreia de Maze Runner – Correr Ou Morrer, adaptação cinematográfica da primeira parte da trilogia que conta a história de um rapaz (Thomas) que acorda sem memória alguma e preso em uma aldeia de meninos situada no meio de um labirinto assustador explorado diariamente alguns dos jovens – intitulados “corredores”. No elenco, temos os jovens Dylan O’Brien, Will Poulter, Kaya Scodelario e Thomas Brodie-Sangster. Apesar da trama possuir alguns elementos já comuns em outras sagas atuais (jovens guerreiros, realidade futurista, luta contra o sistema…), o enredo é bastante atrativo no geral. E a forma de como ele é desenrolado neste primeiro filme é bastante instigante e de fácil compreensão. Assista abaixo ao trailer:

Há um detalhe importantíssimo que destaca Maze Runner – Correr Ou Morrer de todas as outras adaptações: enquanto alguns diretores e roteiristas se preocupam com o teor de violência gráfica para a faixa etária (descartando, na maioria das vezes, momentos incríveis de uma determinada história), a equipe de MR não poupou esforços para deixar o espectador o mais entretido possível. As cenas de ação são mais intensas e brutas, os (poucos) momentos de humor são bem maduros, as interpretações são bastante encorpadas e rola até alguns “shits” entre uma fala e outra. Ah, e se você é daqueles que aguarda algum momento para ~shippar~ personagens, um aviso: neste filme, o foco passa muito longe de ser esse, o que dá margem para mais momentos de adrenalina e tensão psicológica. Em contrapartida, a parte moral do filme fica por conta das mensagens de persistência, altruísmo e confiança.

O elenco é encantador. Dylan e Kaya renderam um Thomas e uma Teresa bastante convincentes, enquanto Will Poulter incorporou Gally calculista o suficiente pra deixar todos com vontade de dar na cara dele toda vez que entra em cena. O carisma é algo cativado de diferentes formas em alguns personagens: seja na pureza de Chuck (Blake Cooper), na figura paterna de Alby (Aml Ameem) ou na sabedoria de Newt (Thomas Brodie-Sangster). Já os Verdugos são um fucking show à parte!

Assim como todas as outras adaptações, esta também peca em alguns aspectos. Quem já leu o livro sabe como o mesmo é incrível do começo ao fim, ideal para saboreá-lo moderadamente; portanto, quem for assistir ao filme vai sentir que Maze Runner corre (oh, the irony! <3) bastante com o desenrolar da história, mas nada que resulte em algo muito impactante no consenso geral. Alguns contextos ficam um pouco distorcidos também, principalmente nos momentos finais. PAREI POR AQUI SENÃO #VAITERSPOILER. Hahaha

No geral, Maze Runner: Correr Ou Morrer rendeu uma primeira parte satisfatória. Analisando como uma adaptação, não é lá essas coisas; mas como um filme consegue entreter bastante e deixar todos curiosos para ler os livros e conhecer mais a história. Obviamente não foi 100% fiel ao livro, mas acredito que algumas mudanças e cortes foram, de fato, necessárias para poder apresentar algo mais dinâmico e compreensível para todos, tanto os fãs já existentes como os que ainda estão para aparecer. Ou seja: vá assistir com a mente aberta sem esperar um livro contado, lembrando sempre que estamos falando de uma ADAPTAÇÃO.

Maze Runner – Correr Ou Morrer estreia no próximo dia 18 de setembro. Agarra essa nossa dica e corre pro cinema! 😀

João Batista
Dono, idealizador e fundador do labirinto. Genioso, carioca que não sabe sambar e amante da cultura pop desde 1991.