"Campo do Medo": entenda o final do novo filme de terror da Netflix • MAZE // MTV Brasil
FilmesNetflix

“Campo do Medo”: entenda o final do novo filme de terror da Netflix

Luiz Henrique Oliveira12120 views
Campo do Medo: entenda o final do novo filme de terror da Netflix

“Campo do Medo” é um filme baseado em conto escrito por Stephen King e seu filho, Joe Hill. A obra foi publicada na revista Esquire, e agora ganha uma adaptação da Netflix. Sempre ela: se tem uma produtora determinada a fazer o maior número de adaptações de obras famosas, é justamente ela.

Veja a crítica em vídeo:

O filme traz King novamente para o centro das atenções. Ele, que teve um bom ano com o lançamento de “It: Capítulo 2”, agora tem mais um texto seu na cabeça do povo. E “Campo do Medo” é um filme de terror exemplar, mas os temas tratados no decorrer da história podem parecer confusos.

Por isso, vamos tratar de explicar ponto a ponto tudo aquilo que o filme traz. Por mais que você tenha ficado perdido com os eventos mostrados no filme, agora você pode ter a oportunidade de entender melhor o que se passou.

Não é preciso lembrar, mas lá vai: esse texto tem spoilers pesadíssimos sobre o enredo. Se você ainda não assistiu Campo do Medo, deixe para ler o texto assim que o fizer. Certamente, o que você vai encontrar aqui pode estragar sua experiência.

 

Entendendo o enredo

O filme começa cmo os dois irmãos, Cal e Becky, dirigindo pela estrada. Ela está grávida, e sente-se mal – como é comum em mulheres em gestação. Ao passar por um campo de grama alta, eles ouvem o lamento de uma criança. Decidem então parar para ver o que está acontecendo. Ao entrarem no campo, eles descobrem que ali há muito mais do que grama aparentemente abandonada. O lugar esconde vários segredos.

Essa premissa de Campo do Medo é bastante magnética, pois prende a atenção facilmente. O passeio dos dois irmãos pelo meio da grama cria um cenário de horror até então não explorado em todo o seu potencial. Qualquer pessoa que tenha se perdido em um lugar desconhecido vai se reconhecer facilmente no drama dos dois irmãos. A agonia de não saber o que se passa é quase sufocante no decorrer da história. É isso que mantém nosso interesse.

Conforme o filme avança, depois de passarem boa parte do dia perdidos no labirinto de grama, Cal e Becky descobrem o menino perdido no lugar, chamado Tobin. Além disso, também encontram Ross, pai do rapaz, interpretado por Patrick Wilson. Os dois agem de forma estranha o tempo inteiro, o que faz com que fiquemos de orelha em pé, desconfiados. Tobin leva Cal para o centro daquele labirinto, onde ele encontra uma rocha gigante. Quem toca nela, descobre os segredos daquele campo: ele é capaz de alterar o tempo e o espaço para atrair mais pessoas.

 

Explicando “Campo do Medo”

Campo do Medo: entenda o final do novo filme de terror da Netflix
Patrick Wilson, Harrison Gilbertson, Laysla De Oliveira, Avery Whitted em cena de Campo do Medo – Foto: Reprodução/Netflix

Assim como a grama em si, o tempo no campo é capaz de se mover e se misturar com o futuro, atraindo pessoas que existiam por ali no passado. Essa constante alteração na perspectiva do filme pode parecer bastante confusa. Principalmente para aqueles que não sabiam antes que a o tempo naquele campo de grama se move de forma distinta de nós. O tempo, ali, é completamente diferente de como os seres humanos entendem. Ainda assim, obedece a certas regras.

A grama é capaz de alterar o passado, mantendo os elementos do futuro. É dessa forma que Travis, o pai da criança que Becky espera e que foi ao campo procurar por eles, é puxado para dentro.

Como se vê, o futuro é o passado, como o passado é o presente. Então, a própria grama é uma entidade que usa sua presa para atrair mais presas que, por sua vez, atraem mais presas. Dessa forma, vai mudando constantemente o caminho do tempo, semelhante ao modo como ele muda os caminhos daqueles que estão presos dentro dele. A grama consegue alterar o passado, como vemos quando Travis, Cal, Becky e Tobin se encontram, mesmo sabendo que isso não aconteceu originalmente.

 

A grama pode tudo

Portanto, com tudo isso fica fácil constatar que a grama é capaz de criar uma linha do tempo, pegar elementos dela e depois pegar esses elementos para uma realidade alternativa que “limpe” a linha do tempo original. Dessa forma, ela pode usá-la para ganhar mais presas. O fato em Campo do Medo que confirma isso é quando Ross, mais tarde no filme, é capaz de matar Cal como ele fez várias vezes antes. Isso só acontece porque ele pode prever a maneira como o personagem se move em determinadas circunstâncias.

Por isso, você não precisa ter doutorado em física para entender Campo do Medo, por mais que pareça complicado à primeira vista. Basta saber que a grama, por si própria, pode fazer o que quiser. Inclusive brincar com o tempo. No decorrer da história, Ross percebe que a rocha que fica no meio do campo é o centro do mundo – talvez, do próprio Universo. A pedra tem milhões de anos, e para que alguém possa entendê-la, é preciso tocá-la. Só assim para adquirir seu conhecimento (e qualquer semelhança com o monólito de “2001” é mera coincidência).

Cal quase consegue alcançá-la, mas Natalie, mãe de Tobin que aparece de uma linha do tempo alternativa, é puxada para dentro do círculo.

 

O final de “Campo do Medo”

Essa sucessão de acontecimentos leva Ross a matar Natalie e derrotar Travis depois que ele se recusa a tocar a pedra. Nesse momento, Campo do Medo se torna uma espécie de metáfora de como aqueles que acreditam ter respostas às vezes estão dispostos a usar a violência para tentar forçar os outros ver seu ponto de vista.

O filme nos diz que todos nós, enquanto espécie, vagamos por nossa própria grama, perdidos e sem nenhuma ideia real do que está acontecendo. Enquanto isso, outros tentam nos forçar a ver as coisas do seu jeito. Resumidamente: existem aqueles que pensam que sabem tudo, e que merecem ser os “guias” das outras pessoas.

O melhor exemplo disso é Becky, que poderia ter seguido Travis para ter uma família, ou seu irmão, que não acreditava que Travis fosse bom o suficiente para ela. Ambos tiveram seus preconceitos e falhas e, portanto, o filho de Becky teria suas vantagens e desvantagens. No final das contas, Cal se mostra uma pessoa tão má e egoísta  quanto Ross, já que ele permite que Travis morra.

Isso mostra o quanto todos os lados possuem seus prós e contras, e parece ser um retrato bem interessante de como a sociedade pode trabalhar com todos esses aspectos, com os prós e contras. São escolhas da vida que podem definir nosso futuro.

 

Explicações sobre o final

Depois de fugir de Ross, o grupo restante encontra uma pista de boliche na grama. É lá que se refugiam. É quando Cal quase mata Travis e Ross mata Cal. Nesse momento, Campo do Medo nos diz passa a mensagem que, se todos ali decidissem trabalhar juntos, e divididos, eles poderiam ter saído da grama. Como eles cometiam o erro de trabalhar de forma separada para sair daquele lugar, a grama conseguia segurá-los ali.

As escolhas erradas na vida de cada um começam a se refletir. Travis percebe que ele fez a escolha errada ao abandonar Becky. Ela mesma também nota isso ao perceber que desejava desistir de seu bebê para adoção. A grama, portanto, é uma representação de quando passamos por dificuldades na vida, e saímos do outro lado melhores – se fazemos as escolhas corretas.

Mesmo a versão de Becky, Travis e Ross acabe no caminho trágico provocado no decorrer do filme, ainda há esperança de que ela tenha conseguido entrar em contato com o mundo exterior, mandando um aviso antes; ou mesmo que Travis tenha conseguido tocar a pedra e, dessa forma, visto os caminhos que levam Tobin para fora.

Com isso, Tobin chega até a igreja que fica do lado de fora do campo e consegue avisar Becky e Cal antes que eles façam a escolha errada. Assim, eles são capazes de evitar a área onde continuarão levando a vida que deveriam ter.

A mensagem nesse momento se torna mais clara: todos nós estamos no controle de nossos próprios destinos e, se pudermos escapar das armadilhas da escolha errada logo no início, por nós mesmos ou com a ajuda de outras pessoas, poderemos seguir na direção certa.

 

Encerramento

Campo do Medo termina com Becky percebendo que seu futuro está com Travis e seu bebê. Então, com Cal e Tobin, ela volta para casa. Percebemos então que podemos ajudar a nós mesmos, mesmo quando as coisas parecem sombrias. Dessa forma, o final do filme se mostra bastante esperançoso, diferente do que parecia no começo.

Nós assistimos como o bom Travis entra em colapso no campo. Ele está seguro de que, lá fora, há uma versão de si mesmo que está levando a vida que ele deveria ter. É aí que entramos nos créditos finais.

Dessa forma, Campo do Medo se torna um filme de terror interessante, mesmo que às vezes sofra com problemas no seu ritmo de edição e uma falta de clareza na mensagem final que pretende passar. Ainda assim, é uma obra que oferece muitos questionamentos – mais do que o habitual para um longa do gênero.

A premissa, por si só, já é bastante interessante e prende a atenção com facilidade. Ao chegarmos ao final da história e notarmos suas mensagens, entendemos que não é só a premissa alucinante que nos mantém ligados. Ele também nos permite questionar o que faríamos se estivéssemos no lugar dos personagens, e faz com que a gente sinta o terror que eles sentem naquela situação.

Portanto, Campo do Medo tem uma história brilhante por trás da “capa” de filme de terror. Adapta bem o trabalho de King e Hill, e nos dá a oportunidade de sentir medo e nos fazer pensar. Mesmo com os problemas de ritmo e andamento do roteiro já citados, vale muito a pena assistir – é surpreendente.

Luiz Henrique Oliveira
Nasceu no interior de São Paulo em 1986 e escreve sobre cinema em blogs desde 2004. Curte drama, comédia e ficção científica, mas ama mesmo O Poderoso Chefão. Tem interesse no mundo geek, em música brasileira e pode ser facilmente confundido com o Chico Bento pelas ruas da capital paulista.