Florence + the Machine: Teoria e simbolismos no clipe "Big God" • MAZE // MTV Brasil
EditoriaisMúsicaPosts

Florence + the Machine: Teoria e simbolismos no clipe “Big God”

Marcos Wesley1576 views

O clipe de “Big God”, da Florence + the Machine, não poderia ser mais simples, certo? Em um take só a câmera segue Florence Welch e sete mulheres dançando em um lugar completamente preto, os pés descalços parcialmente imersos em água. Um vídeo aparentemente simples que vem levantando diversas teorias entre os fãs.

“O que é isso sobre o Vazio que o faz ser tão atraente pra mim?”
Florence em entrevista sobre o novo álbum, High as Hope

Não há como falar sobre a música e o vídeo sem levar em consideração as palavras da Florence e da diretora Autumn de Wilde. Em entrevista a cantora explica que em uma conversa sobre o vazio que sempre sentimos alguém disse pra ela que ela precisava de um “grande deus”, daí vem o titulo da música, ainda na mesma entrevista ela diz que quis contrastar algo tão grande quanto a necessidade de um “deus” com algo banal como o vazio de quando alguém não responde as nossas mensagens. A música começa com Florence lembrando do conselho que recebeu: “Você precisa de um grande deus, grande o suficiente para manter/segurar o seu amor, você precisa de um grande deus, grande o suficiente para te preencher”. É como se nessa busca por algo que preencha esse Vazio, um grande deus fosse a única solução, então Florence repete isso durante o refrão da música para lembrar a si mesma dessa possível solução.

Conhecendo o Vazio

Na meio ocultista o Vazio (com V maiúsculo) é um lugar comum, qualquer um que segue por esse caminho vai se deparar com ele em algum momento de sua jornada. As vezes chamado de Void, porém mais comumente conhecido como Abismo, é bem resumidamente um lugar que separa o mundo material do mundo espiritual (é mais complicado que isso, mas para o entendimento desse texto essa descrição é suficiente). Em alguns grimórios e livros de magia temos a descrição de um Abismo cujo lado luminoso é retratado como um penhasco que desce até o lado escuro. E no lado escuro, é como um rio de escuridão. No clipe Florence e suas “Irmãs do Vazio” estão dançando em um lugar escuro, com água aos seus pés. Isso me parece bastante com essa descrição do lado escuro do Abismo, não acham? Contrastando com esse primeiro momento, a letra segue contanto sobre alguém que a mantém acordada durante a noite, alguém que não responde às mensagens que ela envia, ela ainda gosta dessa pessoa, mas reconhece que essa relação trás o melhor do melhor mas também o pior do pior, no trecho “you’ll always be my favorite ghost” (você sempre será o meu fantasma favorito), a letra se refere pode se referir ao “Ghosting”, termo usado para se referir a pessoas que simplesmente desaparecem e param de responder as mensagens enviadas. Mas uma outra interpretação valida para esse trecho é Florence falando diretamente com o deus que ela está buscando – em inglês o Espirito Santo é chamado de Holy Ghost.

“É sobre o poder que a escuridão do desejo pode lhe dar quando você abraça sua besta interior sozinha … Mulheres que se unem assim, e se levantam juntas assim, são geralmente acusadas de serem bruxas, então eu queria explorar isso. Eu também queria criar uma abstração da Florence, como se cada mulher fosse um pequeno pedaço de vidro que havia se despedaçado dentro dela. Agora elas se juntam a ela fora de seu corpo e lutam com ela, amam com ela, vão para a guerra com ela”
Autumn de Wilde, diretora do vídeo Big god

A coreografia de Florence Welch e Akram Khan

Durante esses dois primeiros trechos, no clipe vemos Florence a frente de sete mulheres cobertas por véus, a cantora sendo a única sem véu. É difícil escrever sobre a coreografia em si, já que dança é uma linguagem única, raramente palavras estarão à altura de explicar todo o sentimento por trás do que o corpo traduz através dos movimentos. Mas vamos nos atentar para o momento em que as mulheres se abaixam, retiram os véus e se levantam fazendo movimentos de asas, como se estivessem voando. É a partir daí que a dança delas ganha uma força maior, como se estivessem sido libertas do véu que as cobria da realidade. Depois disso entramos em um segundo momento do clipe e da música, onde Florence canta que às vezes ela acha que as coisas estão melhorando, mas na verdade estão ficando piores, ela se questiona se isso só a parte do processo, mas de qualquer forma dói. Nesse momento a coreografia no vídeo fica bem caótica e confusa, com todas as mulheres, incluindo a Florence no chão, fazendo movimentos desesperados como se estivessem em grande confusão mental. Florence foi criada como católica, então nesse trecho da música ela usa uma expressão que é automática para quem cresceu em família cristã, “Jesus Cristo, isso dói”. Atravessar o Abismo não e uma tarefa fácil, bem pelo contrário, é nele que vamos enfrentar nossos piores medos, e nossos mais secretos demônios internos, a nossa Sombra. Levando em consideração as palavras da diretora, podemos interpretar essa dança pelo Abismo como a Florence enfrentando e fazendo as pazes com partes dela mesma.

“Muito obrigada […] às mulheres incríveis que dançaram, suaram e sangraram por essa peça. Vocês são as filhas-da-mãe mais duronas que eu já conheci. Irmãs do Vazio para sempre x”
Florence Welch via Instagram

O quadro “Witches Flight”: inspiração de Florence Welch para o clipe “Big God”.

Enquanto ela reconhece e aceita essa dor, as dançarinas flutuam no ar, ficando suspensas acima da cabeça da Florence (o que lembra o quadro “Witches Flight”, do Goya). Florence nesse momento parece em êxtase, esse estado alterado de consciência é uma das ferramentas mais usadas na bruxaria. As mulheres flutuando acima de sua cabeça pode ecoar esse significado de êxtase, já que é muito comum sentir que está flutuando quando se atinge esse estado. É interessante ressaltar que uma das maneiras mais comuns de entrar em estados alterados de consciência é através da dança – vide cultos afro-brasileiros, ou as lendas de bruxas dançando ao redor das fogueiras nas florestas. Quando as dançarinas caem de volta no chão, a coreografia fica ainda mais forte, com movimentos mais marcantes e poderosos. Logo após elas formam uma linha enquanto dão pulinhos e vão erguendo os braços aos poucos. Em alguns rituais de magia é muito comum fazer esse movimento para enviar as energias criadas durante o processo para o universo, encerrando o ritual.

A ascensão de “High as Hope”

Aqui entramos na parte mais poderosa da letra e do clipe, onde Florence canta “Faça chover seu carinho/afeição, deixe chover em mim, derrube a montanha, puxe as cidades para o mar […] não me deixe nesse penhasco branco, deixe-o deslizar para o mar”. Enquanto canta, as dançarinas saem de cena, e Florence se joga na água, totalmente molhada e mergulhada no lado escuro do Abismo. Na letra, podemos perceber que Florence está falando diretamente com essa força maior que buscou durante toda a canção, ao invés de buscar esse amor divino, ela se oferece como receptáculo, ela prefere que o mundo material representado pelos “White Cliffs” (um lugar na costa da Inglaterra) seja arrastado para o mar, para o Abismo, do que continuar sozinha com o Vazio que nunca é preenchido. O ato de levar tudo para o mar, reflete o desejo de fazer parte de algo maior que ela mesma. Depois de se entregar e mergulhar no lado escuro do Vazio, no final do vídeo Florence olha para uma luz que vem de cima, finalmente enxergando o lado luminoso do Abismo, pronta para sua ascensão.

***

O álbum “High As Hope”, de Florence + the Machine, está disponível no Spotify:

Marcos Wesley
Nasci pra provar que também existe bruxo das trevas na Grifinória.